Pesquisa
Acesso
Login:
Senha:


Feminino e plural: Mulheres no cinema brasileiro
Autor: Karla Holanda / Marina Cavalcanti Tedesco (orgs.)
Editora: Papirus Editora
Edição: 01
Área: Artes
Coleção: Campo imagético
Código: 9788544902653
ISBN: 978-85-449-0265-3
Lançamento: 26/09/2017
Ano 1ª Edição: 2017
Acabamento: Colado e costurado
Encadernação: Brochura
Nº Páginas: 240
Orelha: Sim
Público Alvo: Estudantes, professores, profissionais da área de cinema, cinéfilos e demais interessados nessa temática.
Preço de Capa: R$ 59.90
Peso (Kilos): 0.3550

Sinopse

Este livro nos mostra uma face oculta, o outro lado da lua no cinema brasileiro, uma história que, por décadas, foi contada na mão única do recorte dominante, deixando de lado a questão de gênero e, particularmente, a dimensão da participação feminina. Não seria a mulher o grande "outro" do cinema brasileiro, já que a questão da alteridade diferencial lhe parece intrínseca e irreconciliável? Certamente não se trata da única cissura, mas sua invisibilidade é escandalosa.
O percurso que extraímos do conjunto de ensaios aqui reunidos é significativo. Levanta de modo frontal não só a presença, mas também o movimento de negação sublimadora da força criativa da mulher no cinema. Mostra que a postura de ignorância não pode mais se sustentar. Reflete a dificuldade de aceitar as especificidades de gênero e o fato de que a própria obliteração do recorte excludente é uma discriminação. Então, quando os portões se abrem e o fundo da sala é clareado, insuspeitas criaturas vêm à tona em atitude de poder, com suas imagens, seus filmes, as diversas facetas diferenciadas, as sensações e percepções próprias. Ao colocarmos o dedo na ferida do gênero, ainda mais dilatada quando atravessada pela questão racial, não é necessário esquecer outros continentes da alteridade, como a questão de classe, que certamente a ele vem agregar-se. Antes dissimuladas, agora políticas de exclusão e preconceito tornam-se evidentes, orientando para um só lado a recepção, ainda que involuntária, da realidade que nos cerca.
O principal mérito do livro é, nesse sentido, evidenciar o reiterado desvio de rota, a banalidade do mal que cerca o "ver ignorando", a negação ao acesso. É algo que nos permeia como natural, sem que percebamos. São reveladores, nos levantamentos arqueológicos em torno do que sobreviveu, não só o registro, mas a obra que insiste. Resultado da vontade e da pulsão que conseguiu ultrapassar barreira fixando expressão – diferenciada ou não, pouco importa; o que conta é a dimensão de intervenção que o conjunto dos textos propõe, para além de seu movimento de resgate e reavaliação.

Fernão Pessoa Ramos

Sumário

PREFÁCIO
Heloísa Buarque de Hollanda

APRESENTAÇÃO: A PLURALIDADE DO FEMININO NO CINEMA BRASILEIRO
Karla Holanda e Marina Cavalcanti Tedesco

1. CLÉO DE VERBERENA E O TRABALHO DA MULHER NO CINEMA SILENCIOSO BRASILEIRO
Luciana Corrêa de Araújo

2. GILDA BOJUNGA: CAMINHOS E PERCALÇOS DE UMA AFIRMAÇÃO
Sheila Schvarzman

3. CINEMA BRASILEIRO (MODERNO) DE AUTORIA FEMININA
Karla Holanda

4. CINEASTAS BRASILEIRAS (FEMINISTAS) DURANTE A DITADURA CIVIL-MILITAR
Alcilene Cavalcante

5. ESTÉTICAS E POLÍTICAS DE RESISTÊNCIA NO "CINEMA DE MULHERES" BRASILEIRO (ANOS 1970 E 1980)
Ana Maria Veiga

6. HELENA SOLBERG: MILITÂNCIA FEMINISTA E POLÍTICA NAS AMÉRICAS
Mariana Ribeiro Tavares

7. O DISCURSO HISTORIOGRÁFICO EM MULHERES DE CINEMA
Luís Alberto Rocha Melo

8. ARTICULAÇÕES FEMINISTAS NO CINEMA BRASILEIRO NAS DÉCADAS DE 1970 E 1980
Érica Sarmet e Marina Cavalcanti Tedesco

9. CASSANDRA RIOS E O CINEMA ERÓTICO BRASILEIRO: AUTORIA E PERFORMATIVIDADE
Alessandra Soares Brandão e Ramayana Lira de Sousa

10. PROTAGONISMOS EXPERIMENTAIS FEMININOS NO SURTO SUPEROITISTA DOS ANOS 1970
Rubens Machado Júnior e Marina da Costa Campos

11. IDENTIDADE, RESISTÊNCIA E PODER: MULHERES NEGRAS E A REALIZAÇÃO DE DOCUMENTÁRIOS
Gilberto Alexandre Sobrinho

12. FORMAS DE VISIBILIDADE E (RE)EXISTÊNCIA NO CINEMA DE MULHERES NEGRAS
Ceiça Ferreira e Edileuza Penha de Souza

13. AMOR, PLÁSTICO E BARULHO: PROTAGONISMO E RIVALIDADE FEMININA COMO ELEMENTOS ESTÉTICOS E NARRATIVOS NO CINEMA PERNAMBUCANO
Daiany F. Dantas, Isaiana Santos e Renata I.F. Nolasco

14. DOCUMENTÁRIO BIOGRÁFICO E PROTAGONISMO FEMININO
Denise Tavares

15. DO PAI AO PAÍS: O DOCUMENTÁRIO AUTOBIOGRÁFICO EM FACE DO FRACASSO DAS ESQUERDAS NO BRASIL
Ilana Feldman

16. DORA E A LUTA HISTÓRICA CONTRA OS FASCISMOS: SUBVERSÃO E LIMIAR EM RETRATOS DE IDENTIFICAÇÃO
Roberta Veiga

.