Pesquisa
Acesso
Login:
Senha:

Newsletter



ANTONIO CALLONI: O ATOR POETA

Intérprete de personagens inesquecíveis faz nova incursão nos livros de poesia em Paisagem vista do trem, da Papirus

Antonio Calloni é um rosto mais que conhecido na televisão. É também, não necessariamente nesta ordem, ator de teatro, escritor, apreciador de vinhos, pai, marido, devoto de Santo Antônio, criador de coelhos, pescador amador, fã de Star wars, datilógrafo e freqüentador relativamente assíduo de sessões de psicanálise. Mesmo com todas essas atividades, Calloni ainda acha tempo para fazer poesia, como mostra seu segundo livro na área: Paisagem vista do trem, lançamento da Papirus 7 Mares. Como isso é possível? "Não falta inspiração para quem está permeável à vida. E isso, infelizmente, não é tão simples quanto parece. O Tempo, como todos nós sabemos, é um orixá poderoso. Se a gente for legal com Ele, Ele pode ser legal com a gente", responde o sempre simpático Calloni, cujos poemas chamaram a atenção de gente graúda na área literária, como Moacyr Scliar.
"Concentração de talentos é uma surpresa sempre agradável e, mais que agradável, entusiasmante: dá testemunho das múltiplas possibilidades do ser humano. Antonio Calloni é, como todos sabem, um belo exemplo de talento multifacético", afirma Scliar no prefácio da obra, pouco antes de elogiar poemas como "Notícia sobre a criança".
Nessa incursão no universo da poesia, Calloni – que se declara "fã dos Manoéis" (Bandeira e de Barros) – publica 32 poesias, agrupadas em cinco partes: Pintores do oriente, Redação infantil, Quatro estações, Alguns gracejos e A mulher e o trem. O critério para cada grupo de poesias não é temático: segue o coração do autor. "Na 'Redação infantil sobre a comida de alguns poetas', além de fazer uma clara homenagem à poesia e aos poetas, eu insinuo a influência que alguns desses mestres e suas obras exercem na minha escrita. Graças ao bom Deus, eu sou um sujeito altamente influenciável: acredito em Deus, na sua invenção, no ET de Varginha, no meu analista, em mim e, principalmente, na vida", diz.
Calloni conta que começou a se interessar por poesia quando tinha 13 anos e fez uma viagem "arrebatadora" à Itália com os pais. "Na volta, escrevi um poema em italiano em homenagem à vila onde meu pai nasceu, Ponte San Pietro. Lembro bem que queria dizer que o povo da vila era ignorante sem ser agressivo e usando a própria palavra ignorante. Organizei poeticamente as imagens, as palavras, as emoções, os sabores, os gritos, as cantorias, as massas, as lágrimas, as gargalhadas e, intuitivamente, é claro, consegui. Fiquei muito feliz quando meu pai e minha mãe leram o poema e choraram como bons italianos", relembra. E acrescenta: "Deve haver alguma razão biológica para a necessidade de escrever poesia. Quando eu entorto um fato, uma imagem, um sentimento, um fragmento através da poesia, me lembro de quando eu era criança e esmagava pintinhos na granja do meu pai só para ver o que eles tinham por dentro, como é que eles funcionavam. Escrever poesia talvez seja uma tentativa, às vezes até mais cruel, de ver como a vida funciona". O que os fãs do ator podem esperar então do poeta? Poesias que emocionam ou que mostram como a vida funciona? Com a palavra, o próprio Calloni: "Podem esperar tudo! Paixão, procura, provocação, amor, humor, alguma sombra, um calor dos diabos e o melhor afago do melhor Deus". Ponto final.


.