Pesquisa
Acesso
Login:
Senha:

Newsletter



O fim das defasagens na aprendizagem


Quem já foi aluno um dia sabe muito bem: por melhor que seja o desempenho, sempre podem surgir dificuldades para aprender alguma disciplina ou assunto. Para resolver esse problema, no Distrito Federal (DF), por exemplo, existe uma proposta que visa eliminar as "dificuldades de aprendizagem" dos estudantes com "defasagem idade/série". Mas o que realmente significam, na aprendizagem escolar, essas palavras colocadas entre aspas? E como funciona o projeto interventivo proposto no DF? Essas e outras questões são analisadas na obra Projeto de intervenção na escola: Mantendo as aprendizagens em dia, de Benigna Villas Boas, lançamento da Papirus Editora.

"O objetivo do livro é possibilitar a construção do entendimento de que cabe à escola de anos iniciais do ensino fundamental, principalmente, planejar meios de atendimento imediato aos estudantes que apresentam necessidades de aprendizagem. Isso pode ser feito por meio de projetos interventivos, articulados à avaliação formativa. Essa é uma ação de responsabilidade de toda a escola", expõe Benigna.

De acordo com a autora na apresentação da obra, ao longo do livro percebem-se as muitas facetas da aprendizagem, e não apenas o momento professor-aluno em sala de aula. Por exemplo, o formato das reuniões do conselho de classe, participativo ou não, presidido pelo gestor ou não, os seus objetivos e os seus encaminhamentos constituem aprendizagens para os estudantes e os professores. Enfim, todas as situações escolares estão repletas de aprendizagens.

Na obra, alguns temas são esmiuçados e explicados, como o projeto interventivo; a escola não seriada; o Bloco Inicial de Alfabetização (BIA) do Distrito Federal; as responsabilidades do gestor escolar e do coordenador pedagógico no projeto interventivo; a questão dos conselhos de classe e a avaliação formativa.

Entre os destaques da obra, a autora aponta o capítulo que trata do portfólio associado ao projeto de intervenção. "O portfólio possibilita a avaliação do próprio projeto porque tudo o que se produz fica à disposição para apreciação e retomada do trabalho pedagógico", conclui.

.